UE cobrará imposto sobre embalagens plásticas

11/01/2018


"Produzimos e usamos muitos plásticos que, apesar dos esforços de reciclagem, se tornam lixo e que já não podemos vender nos mercados globais da maneira que fazíamos devido ao bloqueio de importação decidido pela China", explicou Gunther Oetinger.


O comissário europeu responsável por orçamento e recursos humanos, Gunther Oettinger, declarou nesta quarta-feira (10) em Bruxelas que a Comissão Europeia pretende cobrar imposto sobre embalagens plásticas. O ato visa reduzir a poluição ambiental e aumentar a receita do orçamento da UE.


Segundo Oettinger, o governo chinês aplicou no ano passado uma política que proíbe totalmente a importação de “lixo estrangeiro” com alto nível de poluição. Isso impactou a exportação de lixos plásticos da UE. Portanto, a entidade espera incentivar a redução do uso de embalagens plásticas através da cobrança de impostos. Os objetos fiscais e a taxa de imposto ainda estão em discussão.

A UE também está considerando aumentar a parcela assumida pelos países membros que pagam ao orçamento da entidade, com vista a preencher o déficit financeiro após a saída do Reino Unido.

Fonte: China Radio International e Euronews (11/01/2017)




A proibição da importação de resíduos da China aumenta a indústria de reciclagem global

China tem sido o campo de despejo do mundo para resíduos, com a Europa e a América do Norte exportando milhões de toneladas de lixo reciclável para o país todos os anos

15/02/2018



Durante anos, a China era o principal destino do mundo para o lixo reciclável, mas uma proibição de certas importações deixou as nações se mexerem para encontrar novos campos de despejo para o crescimento de lixões.


A decisão foi anunciada em julho e entrou em vigor em 1º de janeiro, dando às empresas da Europa aos Estados Unidos apenas seis meses para procurar outras opções e forçando algumas a armazenar lixo em estacionamentos. Na China, algumas empresas de reciclagem tiveram que demitir funcionários ou desligar devido à perda de negócios.

A proibição impõe as importações de 24 categorias de resíduos sólidos, incluindo certos tipos de plásticos, papel e têxteis.

“Grandes quantidades de resíduos sujos … ou mesmo perigosos são misturados nos resíduos sólidos que podem ser usados ​​como matérias-primas. Isso poluiu o ambiente da China seriamente”, explicou o Ministério do Meio Ambiente em um aviso à Organização Mundial do Comércio.

Somente em 2015, o gigante asiático comprou 49,6 milhões de toneladas de lixo, de acordo com os últimos números do governo. A União Européia exporta metade dos seus plásticos coletados e classificados, 85% dos quais são para a China. A Irlanda exportou apenas 95% de seus resíduos plásticos para a China em 2016.

Nesse mesmo ano, os EUA enviaram mais de 16 milhões de toneladas de produtos de sucata para a China no valor de mais de US $ 5,2 bilhões.

A proibição tem sido como um “terremoto” para países dependentes da China, disse Arnaud Brunet, chefe do Bureau of International Recycling.

“Ele colocou a nossa indústria sob estresse, uma vez que a China é simplesmente o maior mercado do mundo” para materiais reciclados, disse à AFP, observando que esperava que as exportações de certos materiais fossem em 40 por cento ou mais.

As exportações mundiais de plástico para a China podem afundar de 7,4 milhões de toneladas em 2016 para 1,5 milhão de toneladas em 2018, enquanto as exportações de papel podem cair quase um quarto, de acordo com a estimativa de Brunet. A diminuição será em parte devido a uma queda no limiar das impurezas. A China está disposta a aceitar por tonelada de resíduos – padrões mais elevados que a maioria dos países atualmente não pode atender.

Alguns agora estão a olhar para os mercados emergentes em outros lugares, como a Índia, o Paquistão ou o sudeste da Ásia, mas pode ser mais caro que os resíduos de transporte para a China.

O envio de materiais recicláveis ​​para a China é mais barato porque eles são colocados em navios que “de outra forma estarão vazios” quando retornarem ao país asiático depois de entregar bens de consumo na Europa, disse Simon Ellin, diretor executivo da Associação de Reciclagem britânica.

Brunet também advertiu que muitos países alternativos ainda não estão na tarefa de preencher os enormes sapatos da China, uma vez que “a capacidade de processamento não se desenvolve da noite para o dia”.

A proibição corre o risco de causar um problema ambiental “catastrófico”, já que as acumulações de resíduos recicláveis ​​são incinerados ou despejados em aterros com outros resíduos.

Nos Estados Unidos, colecionadores de materiais recicláveis ​​já estão reportando “estoques significativos” de materiais, disse Adina Renee Adler, diretor sênior de relações internacionais no Institute of Scrap Recycling Industries (ISRI).

“Alguns municípios anunciaram que não tomarão certos materiais nem os direcionarão para aterros”, disse ela.

Brandon Wright, porta-voz da Associação Nacional de Resíduos e Reciclagem dos EUA, disse à AFP que algumas instalações estavam armazenando inventário fora ou em vagas de estacionamento.


“Difícil de fazer negócios”

A proibição também criou desafios para empresas chinesas dependentes de resíduos estrangeiros.

“Será muito difícil fazer negócios”, disse Zhang Jinglian, dono da empresa de reciclagem de plástico Huizhou Qinchun, no sul da província de Guangdong.

Mais de metade dos seus plásticos foram importados, e à medida que os preços de tais matérias-primas aumentam, a produção será reduzida em pelo menos um terço, disse ele. Ele já havia deixado uma dúzia de funcionários.

Outros, como o Nantong Heju Plastic Recycling na província costeira de Jiangsu, “deixarão de fazer negócios”, disse um representante. Mas, ao mesmo tempo, a proibição poderia impedir a China de melhorar seus próprios sistemas de reciclagem, permitindo reutilizar mais materiais locais, disse o especialista em plásticos da Greenpeace, Liu Hua.

“Na China, no momento, não existe um sistema de reciclagem completo, legal e regulamentado”, disse ele, com as grandes cidades como Pequim dependentes de catadores ilegais.

“Quando não há recursos provenientes do exterior, há uma maior probabilidade de melhorarmos nossa própria reciclagem interna”.

Na Europa, a proibição também poderia ter o efeito positivo de incitar os países a concentrarem-se no desenvolvimento de indústrias domésticas de reciclagem, afirmou Jean-Marc Boursier, presidente da Federação Européia de Gerenciamento de Resíduos e Serviços Ambientais.

“A decisão chinesa nos obriga a nos perguntar se não estaríamos interessados ​​em fazer fábricas de processamento na Europa para exportar produtos ao invés de resíduos”, afirmou. Na terça-feira, a UE revelou planos para eliminar os plásticos de uso único, como copos de café e tornar recicláveis ​​todas as embalagens de plástico até 2030.

Fonte: Jornal de Goiânia (22/01/2018)


© 2010-2018 - Tudo sobre Plásticos. Todos os direitos reservados.
Página inicial - Política de privacidade - Contato


TSP Messenger Minimizar  Aumentar
Para usar faça LOGIN ou CADASTRE-SE
Digite aqui: Enviar