Bioeletrônica de plástico coleta sinais neurais

22/09/2017


As saliências no polímero condutor (micrografia real ao fundo) permitirão melhor eficiência dos chips bioeletrônicos (ilustração em primeiro plano). [Imagem: Milad Khorrami/Mohammad Reza Abidian/University of Houston]


Eletrodos neurais biocompatíveis

Uma nova técnica de fabricação de dispositivos neurais biocompatíveis permite um ajuste mais preciso do desempenho elétrico das sondas neurais - e dispensa o uso de materiais metálicos.


"Há anos os cientistas têm tentado interagir com o sistema nervoso, para diagnosticar doença de Parkinson, epilepsia, esclerose múltipla, tumores cerebrais e outros distúrbios e doenças neurais mais precocemente," disse o professor Mohammad Reza Abidian, da Universidade de Houston, nos EUA. "Em nosso laboratório, criamos micro e nano-dispositivos para nos comunicarmos com os neurônios".

Abidian vem tentando substituir os eletrodos neurais por eletrodos feitos de plástico condutor de eletricidade há vários anos, em busca de melhor eficiência e de biocompatibilidade, uma vez que o cérebro rapidamente envolve os eletrodos como corpos estranhos, fazendo-os perder a capacidade de detectar os sinais elétricos.

Vantagens dos eletrodos de polímeros

Agora, a equipe usou técnicas de eletrojateamento e eletrodeposição para fabricar minúsculas saliências no polímero condutor diretamente na superfície da sensor bioeletrônico. Essa possibilidade de controlar com precisão a morfologia da superfície dos eletrodos melhorou muito o desempenho do eletrodo de plástico, sem que ele perdesse sua biocompatibilidade.

"O principal requisito dos dispositivos neurais é fornecer eletrodos de alta densidade que sejam biologicamente compatíveis com o tecido neural, traduzir eficientemente os sinais biológicos em sinais eletrônicos e permanecer funcionais por longos períodos de tempo," escreveu a equipe em seu artigo.

Eles acreditam estar muito próximo disso com seus eletrodos de plástico condutor.

Em comparação com os eletrodos metálicos, os eletrodos de polímeros imitam melhor o tecido biológico em pelo menos quatro maneiras diferentes: suas propriedades mecânicas mais macias simulam as estruturas biológicas; sua condutividade eletrônica/iônica permite uma transdução de sinal mais eficiente; sua transparência permite a utilização simultânea de técnicas de análise óptica; e sua fácil funcionalização com biomoléculas ajuda a configurar e ajustar as respostas biológicas.

Bibliografia:

Conducting Polymer Microcups for Organic Bioelectronics and Drug Delivery Applications Martin Antensteiner, Milad Khorrami, Fatermeh Fallahianbijan, Ali Borhan, Mohammad Reza Abidian Advanced Materials DOI: 10.1002/adma.201702576


Fonte: Inovação Tecnológica (20/09/2017)




Tomra lança separadora de materiais a laser

Líder mundial em tecnologia de separação baseada em sensores, a TOMRA Sorting Recycling, visa reduzir ainda mais os resíduos com sua mais recente inovação

20/09/2017



A TOMRA Sorting Recycling anunciou o lançamento de uma máquina de separação por sensores baseada em tecnologia laser. O AUTOSORT LASER permite a seleção de vidro, cerâmica, pedras, metais e plásticos de resíduos domiciliares e comerciais. As suas capacidades permitem que as plantas de recuperação de materiais (MRF’s em inglês) possam recuperar ainda mais os resíduos e reduzir o volume de material que seguirá para os aterros, reduzindo significativamente os custos de disposição. Além disso, o AUTOSORT LASER ajuda a criar receitas adicionais através da recuperação de produtos com valor comercial.


A tecnologia de separação a laser tem como base o bem-sucedido sistema de infravermelhos (NIR) e a ultra flexível série do AUTOSORT da TOMRA, que tem sido o separador favorito com mais de 4.000 unidades instaladas em todo o mundo. O AUTOSORT LASER da TOMRA oferece uma poderosa combinação de sensores capaz de detectar ainda mais propriedades do material no mesmo ponto em simultâneo e, portanto, seleciona as frações de material de forma mais eficiente. Ao contrário da tecnologia concorrente, o AUTOSORT LASER se destaca em separar o vidro fino, grosso ou opaco de resíduos sólidos urbanos.

Uma das primeiras empresas a usar o AUTOSORT LASER é a REMONDIS GmbH em Rheinland, na Alemanha. Harry Amann, gerente da planta comentou sobre a instalação: "Estamos muito orgulhosos de ter o primeiro AUTOSORT LASER instalado em nossa fábrica em Erftstadt. Com uma grande redução de custos e uma excelente qualidade de produto na saída simplificaram o nosso processo da planta. Não preciso dizer que esperamos um retorno rápido neste projeto”.

O AUTOSORT LASER possui um sistema de plano de fundo independente que garante a estabilidade de classificação e permite separar o vidro fino, grosso ou opaco em relação a polímeros transparentes, cada vez mais utilizados atualmente em itens como injeções, isqueiros, garrafas para bebês ou cosméticos. A série AUTOSORT apresenta uma tecnologia patenteada FLYING BEAM e FOURLINE para alta velocidade e precisão. Com a interface de usuário padrão da TOMRA, os operadores podem selecionar facilmente uma variedade de programas de seleção em sua tela sensível ao toque, enquanto o recurso de calibração contínua permite o monitoramento e otimização em tempo real. Além disso, o AUTOSORT LASER pode ser facilmente integrado devido ao seu compacto design. A nova máquina de triagem da TOMRA tem um design mecânico único, que é construído com elevados padrões de segurança e facilita também a sua manutenção.

O grupo TOMRA tem a tecnologia laser em seu portfólio de sistemas de separação desde 1997. Como um método de identificação globalmente estabelecido, a tecnologia de seleção própria da TOMRA foi especialmente adaptada e desenvolvida para as necessidades exclusivas da indústria de reciclagem.

Peter Mentenich, gerente sênior de produtos da TOMRA Sorting Recycling comentou: "Estou muito satisfeito por ver as primeiras instalações bem-sucedidas e o lançamento do AUTOSORT LASER em nosso portfólio de produtos. Ele garante uma maior rentabilidade para nossos clientes e ajuda a reduzir significativamente a quantidade de material que vai para aterros sanitários. Um bom exemplo novamente de que a sustentabilidade e os negócios não são mutuamente exclusivos - ambos podem ser alcançados com tecnologia inovadora de gerenciamento de resíduos e reciclagem”.

Mais informações sobre o novo AUTOSORT LASER podem ser encontradas em www.tomra-autosort-laser.com

Fonte: adaptação de divulgação da Tomra (20/09/2017)


© 2010-2017 - Tudo sobre Plásticos. Todos os direitos reservados.
Página inicial - Política de privacidade - Contato


TSP Messenger Minimizar  Aumentar
Para usar faça LOGIN ou CADASTRE-SE
Digite aqui: Enviar