ITENE avança na melhoria de papel, papelão e plástico usando nanoceluloses

A celulose é um dos mais abundantes e disponíveis para a produção de produtos industriais tradicionalmente utilizados no fabrico de papel, papelão, compósitos de plástico e / ou produtos de higiene materiais renováveis

30/01/2018



Com base nas fibras de celulose, e após um tratamento específico, é possível obter nanocelulosas, que tornam os materiais, tais como papel, cartão e plástico altamente resistente e de pouco peso.


Ele funciona no Instituto Tecnológico de Embalagem, Transporte e Logística (ITENE) (Espanha) no âmbito do projecto MFC_PROD, que tem o apoio do Instituto de Pequenas e Média Indústria da Generalitat Valenciana (IVACE) através do FEDER Desenvolvimento Regional Fundos Europeus.

O seu principal objectivo é a obtenção de nanocelulosas de validação alternativo e subsequente como um reforço fontes de agente por incorporação em produtos de papel, cartão e plástico, destinado a aplicações de alto volume.

Primeiro, ITENE trabalha para nanofibras de baixo custo mudando a matéria-prima iniciar e usar o conhecimento adquirido pré-tratamentos durante 2016. Ele também procura estabelecer índices dos nanocelulosas obtidos na planta piloto de qualidade.

Um outro objectivo é aplicar a MFC obtido no papel, cartão e de polímeros compósitos, a fim de melhorar as suas prioridades diferentes, principalmente: de resistência mecânica, permeabilidade e de acabamento de superfície.

Finalmente, ITENE funciona mais conhecimento sobre a concepção de novas tecnologias de produção de compósitos de polímeros termoplásticos MFC-, aditivando o MFC por tecnologias inovadoras que reduzem os custos do processo, mantendo a estrutura e morfologia da fibra no compósito.

As matérias-primas para este projeto são de madeira, resíduos agrícolas e anuais. Como resultado, ITENE espera que tenha um optimizadas nanofibras processo de extracção a partir de tais matérias-primas e, assim, obter artigos e compósitos reforçados com propriedades melhoradas.

O projecto é co-financiado pelo IVACE, Instituto Valenciano de Negócios Competitividade da Generalitat Valenciana, através do Fundo de Desenvolvimento Regional FEDER Europeia, no âmbito do programa de ajuda destinado a centros tecnológicos com IMDEEA arquivo / 2017/144. (Fonte: ITENE)

Fonte: ITENE (19/01/2018)




Unesp Botucatu desenvolve polímero que regenera ossos

Pesquisadores brasileiros na vanguarda da biotecnologia mundial no tratamento de múltiplas enfermidades, desenvolveram um polímero capaz de auxiliar na regeneração de ossos e tecidos

20/02/2018



Quem nunca se perguntou o porquê de certas doenças ainda não terem cura em pleno século XXI? A resposta é que a pesquisa clínica acontece o tempo todo nos mais diversos centros de pesquisas e universidades mundiais, mas infelizmente, muitos não chegam ao fim por falta recursos e infraestrutura, ou ainda, quando concluídos, nunca chegam definitivamente ao mercado por não conseguir vencer etapas burocráticas.


Uma pesquisa translacional de biológicos realizada pelo CEVAP (Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos) da Unesp Botucatu, permitiu agilizar a transferência de resultados de pesquisa básica para pesquisas clínicas, associando variados tipos de conhecimentos médicos na prática, a fim de produzir benefícios reais para a comunidade.

Esse modelo possibilitou que a pesquisa brasileira chegasse efetivamente ao mercado nacional na semana passada, após 25 anos de estudos. A partir do veneno de serpente cascavel, os pesquisadores brasileiros obtiveram um biopolímero ativo testado com sucesso no estancamento de hemorragias, regeneração de tecidos, cicatrização de feridas em geral e úlcera venosas, colagem de pele, nervos e gengivas, enxerto de ossos e terapia de células tronco, para aplicações em humanos e animais.

No Hospital Veterinário Chico Pupo, localizado em Botucatu, o novo biopolímero ativo foi aplicado numa cirurgia de lesão ortopédica de um cachorro, atuando em várias frentes: cola biológica, coagulação sanguínea e terapia celular, por meio de uma técnica de encapsulamento das células tronco pelo biopolímero, onde este atuou como "Scaffold".

"Nós padronizamos a utilização do biopolímero ativo em conjunto com células tronco mesenquimais visando acelerar a regeneração óssea. Esta metodologia permite uma nova abordagem na terapia celular, pois mantém estas células viáveis no local da lesão por 20 dias ou mais" ressalta a bióloga Patricia Orsi, pesquisadora da Kaivo Desenvolvimento em Saúde, empresa para qual o produto foi licenciado pela UNESP recentemente, e que será responsável por levar esta nova terapia ao mercado.

O uso do biopolímero em cirurgias veterinárias e humanas revolucionará a forma do tratamento de inúmeras doenças e lesões, sem suturas e com uma resposta muito mais efetiva e segura, reduzindo o tempo de recuperação.

"Poucas vezes o Brasil desenvolveu uma tecnologia completamente nova e disruptiva. Esta é uma delas. Enquanto os centros de referência mundial começam a publicar estudos que apontam a fibrina como um dos polímeros mais atraentes para engenharia de tecido da pele, nós desenvolvemos e já colocamos no mercado um biopolímero muito potente, capaz de regenerar muito além de pele. Estamos na vanguarda da biotecnologia mundial. Nós estamos a um passo de descobrir novas utilizações desse polímero ativo que será capaz de trazer soluções de muitas enfermidades e problemas médicos que até hoje não tem alternativas", enfatiza Moacyr Bighetti, CEO da Kaivo.

Fonte: Destak (05/02/2018)


© 2010-2018 - Tudo sobre Plásticos. Todos os direitos reservados.
Página inicial - Política de privacidade - Contato


TSP Messenger Minimizar  Aumentar
Para usar faça LOGIN ou CADASTRE-SE
Digite aqui: Enviar