POLI(OXI-METILENO) / POLIACETAL (POM)

O poliacetal é um termoplástico polimerizado a partir do formaldeído, um gás com ponto de ebulição de -21°C usado na produção de resinas acetálicas, fenólicas e aminoplastos. Estão disponíveis no mercado o poliacetal homopolímero e o copolímero (possui óxido de etileno como comonômero), existindo algumas diferenças entre as propriedades dos dois e direcionando-os para aplicações específicas.

Estrutura química do POM
Estrutura química do POM
Com base na tabela abaixo, percebe-se que o poliacetal copolímero apresenta vantagens em aplicações na indústria química ou peças automotivas que entrem em contato com óleo ou gasolina, além de peças que necessitem suportar esforços por um longo período de tempo a temperaturas mais elevadas. O homopolímero é mais indicado quando a peça trabalha a seco, em temperatura ambiente e necessita de alta resistência mecânica.


COMPARAÇÃO ENTRE O POM HOMOPOLÍMERO E COPOLÍMERO
Homopolímero Copolímero
Mais rígido Melhor resistência química
Mais resistente à tração Maior resistência à fluência (sob carga) em longo prazo
Mais resistente ao impacto Maior estabilidade térmica
Mais resistente à abrasão  

Apesar do relativo baixo ponto de fusão do poliacetal (170°C) sua temperatura de distorção térmica é mais alta que a de muitos outros polímeros. Sendo que a temperatura máxima de uso contínuo para o homopolímero é de 85°C, enquanto que para o copolímero essa temperatura sobe para 105°C podendo chegar até 135°C se o uso for intermitente.

O poliacetal costuma ser comercializado com aditivo antioxidante, anti-uv e lubrificantes internos como o bissulfeto de molibdênio, grafite e o pó de PTFE, que produz resinas com coeficiente de atrito extremamente baixos (0,02) e alta resistência à abrasão. Pode também ter sua resistência ao impacto e flexibilidade melhorada com a incorporação de poliuretano termoplástico (TPU), enquanto o efeito inverso de aumento da dureza e resistência à fluência, pode ser conseguido com a incorporação de fibras de vidro, sendo essa prática menos comum nesse polímero.

Pode ser moldado por injeção, apresentando alta fluídez e raros problemas ou dificuldades no processo e no produto final, mesmo usando material reciclado. Também pode ser processado por extrusão, produzindo tarugos para posterior usinagem.

Características:
- Baixíssima absorção de água
- Boa estabilidade dimensional
- Resistência à abrasão
- Resistência à fadiga
- Alta fluência
- Rigidez
- Mantém sua resistência ao impacto até -30°C
- Facilmente usinável, proporcionando ótimo acabamento

Aplicações:
Engrenagens, buchas, acoplamentos, mancais, flanges, conexões, elementos de válvulas, roldanas, eixos, etc.
Anel para trava
Separador de papel
Aspesor agrícola
Cabos de talheres
Prendedores
Esteira transportadora
Engrenagem
Luva de acoplamento
Cames
Polia

Ponto de fusão:
170°C

Transição vítrea:
-13°C


Bibliografia:
HARPER, Charles A.; PETRIE, Edward M. Plastics Materials and Process: A Concise Encyclopedia. Hoboken: John Wiley & Sons, Inc., 2003.
WIEBECK, Hélio; HARADA, Júlio. Plásticos de Engenharia: Tecnologia e Aplicações. São Paulo: Artliber Editora, 2005.
Artigo postado em 02/01/2011
Sobre o autor: Daniel Tietz Roda é Tecnólogo em Produção de Plásticos formado pela FATEC/ZL e Técnico em Projetos de Mecânica pela ETEC Aprígio Gonzaga. Trabalhou na área de assistência técnica e desenvolvimento de plásticos de 2008 até 2013 e atualmente é proprietário do Tudo sobre Plásticos.
© 2010-2017 - Tudo sobre Plásticos. Todos os direitos reservados.
Página inicial - Política de privacidade - Contato
TSP Messenger Minimizar  Aumentar
Para usar faça LOGIN ou CADASTRE-SE
Digite aqui: Enviar